Neuroarquitetura Corporativa: conheça os 6 pontos fundamentais

Já ouviu falar sobre Neuroarquitetura? Neste post falaremos um pouco sobre o conceito e sua aplicação no ambiente corporativo.

A humanização de espaços “frios” é conhecida como Neuroarquitetura, através de perspectivas únicas, potencializam os gatilhos mentais que criamos ao longo da vida e proporciona bem-estar através do aumento das atividades cerebrais, induzindo à comportamentos positivos inconscientes.

No Brasil, o tema é pouco explorado ainda, embora seja proposto a compreensão dos sentimentos humanos ligados aos ambientes.

Quando pensamos em arquitetura corporativa encontramos diversas soluções projetuais que tem como objetivo potencializar a produtividade dos colaboradores, bem-estar e nível de engajamento através de mudanças de comportamento induzidas pelo ambiente que os envolvem.

Conheça os 6 pontos fundamentais para aplicar a Neuroarquitetura:

Acústica

Iluminação Artificial

Iluminação Natural

Interação

Olfato

Privacidade

Acústica:

Quando o ambiente supera os 60 a 65 db ocorre excesso de ruído que incidem em queda na produtividade de forma considerável, induzindo a maiores chances de mudanças negativas de humor no colaborador e a erros.

Iluminação Artificial:

É preciso ter cuidado com a temperatura da luz a ser utilizada em cada ambiente. Lâmpadas quentes (amarelas) trazem a sensação de tranquilidade e aconchego, enquanto luzes frias (brancas) nos deixam em estado de alerta.

Iluminação Natural:

O sol é importante para o cérebro e o corpo humano por uma série de fatores, como por exemplo: produção de vitamina D. Também é responsável por melhorar o humor, a falta de luz solar pode gerar problemas sérios, como depressão e transtorno de ansiedade.

Interação:

Com a inovação dos projetos da arquitetura corporativa existe um consenso na implantação de espaços chamados ambientes de descompressão ou colaborativos, interligados ao espaço de trabalho. O posicionamento destes espaços deve ser estratégico, ficando em pontos próximos aos staffs, para estimular a interação e movimentação entre as pessoas. Essa movimentação contribui consideravelmente na melhora da saúde, pois estimula a oxigenação dos músculos e do cérebro. Além de aumentar o nível de engajamento e criatividade a medida que o colaborador se sente mais valorizado com estes espaços.

Olfato:

Buscar o ambiente o mais neutro possível é o ideal, visto que o olfato está ligado aos sentimentos e odores muito fortes podem alterar a produtividade do colaborador e bem-estar.

Privacidade:

A dimensão de espaço de trabalho é muito importante para evitar sentimentos de claustrofobia e/ou ansiedade. O diâmetro mínimo indicado é de 1,20 m. Caso seja possível, é interessante disponibilizar espaços privativos para realizações de calls ou conferências.

Aplicar recursos de Neuroarquitetura é garantir a longevidade da sua empresa através do investimento em pessoas. Os conceitos devem ser aplicados estrategicamente e estruturados com exímio cuidado, pois caso aconteça falhas neste processo os efeitos positivos podem não surgirem e demandar custos desnecessários.

Gostou do post? Aproveite e conheça nossos cursos de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Civil nas modalidades: presencial e híbrido.


Publicado por em 1 de julho de 2019 | 2.564

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!