Unimar recebe a 7ª Semiapis

O 7º Seminário de Apicultores e Meliponicultura da Região (SEMIAPIS) realizado pela Universidade de Marília (Unimar), através do curso de Medicina Veterinária, em parceria com a Associação de Apicultores de Marília (AMAR) e a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo, debateu questões sanitárias e a qualidade do mel. 

De acordo com o Médico Veterinário da Coordenadoria da Defesa Agropecuária, Ricardo Scioli Dal Coletto, o SEMIAPIS abordou temas essenciais para a proteção das abelhas e a qualidade do produto, diante do cenário atual. “Nosso objetivo era mostrar a necessidade de ter um cadastro dos apicultores, criando uma subnotificação do número de colméias no município, para ter o controle de produção e desta forma pensar nos cuidados para evitar problemas sanitários, como o que ocorreu recentemente na região de Piracicaba e Itatinga em que o besouro Aethina Tumida, originário da África, prejudicou a produção de mel”, explica Ricardo. 

Para o coordenador do curso de Medicina Veterinária da Unimar, Fábio Manhoso, foi essencial essa discussão para difundir o tema. “A região de Marília é um expoente, importante na questão da apicultura. Recentemente a AMAR conquistou um feito importante que é o serviço de inspeção federal para a produção de mel, que é de responsabilidade do médico veterinário, onde é feita a perícia do produto e local, assegurando a qualidade do produto e a prevenção de doenças”, ressalta. 

Os participantes conheceram um pouco mais sobre a “Atuação da Defesa Agropecuária na inspeção de apiários e a responsabilidade técnica do médico veterinário”, com o Médico Veterinário da Coordenadoria da Defesa Agropecuária, Ricardo Scioli Dal Coletto. Sobre “Meliponicultura: Conhecendo as abelhas nativas e buscando opções para integrar a produção, a renda e a conservação ambiental”, apresentado pelo engenheiro agrônomo  da coordenadoria de Desenvolvimento Rural e as “Boas práticas no uso de defensivos agrícolas e sua importância na preservação dos agentes polinizadores” com o também agrônomo da coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável, Fábio Enrique Piovezan . 

Segundo a acadêmica Larissa Cristina do Nascimento entender como funciona o processo da apicultura propiciou novas oportunidades de atuação.

“Através do Seminário temos contato com a rotina da produção e identificamos o papel do médico veterinário, já que é uma área pouco discutida. Podendo desta forma, ter um novo olhar pela apicultura e construir um novo campo de atuação”, enfatiza. 

Ainda segundo o coordenador Fábio Manhoso, a Unimar é o local adequado para este debate, porque a apicultura e a produção de mel são temas que devem envolver os futuros profissionais. “São os médicos veterinários que atestam a qualidade deste produto que cada vez mais chega a casa do consumidor como forma mais nutritiva e saudável.  E são os profissionais que atestam a qualidade. Eu fico feliz em trabalhar em parceria com a Associação de Apicultores e com os veterinários da Defesa Agropecuária, debatendo importantes questões e fomentando uma importante função econômica que está em ascensão”, finaliza Fábio Manhoso.


Publicado por em 5 de julho de 2019 | 283

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!